inconsistência leve

domingo, 10 de abril de 2011

Dia retinto

Viajo até as mais altas colinas
Para tentar decifrar a cena
Diante de suas mãos assassinas
Sua calma monstruosa lhe condena.


Quantas vidas foram ceifadas
E quanto amor ficou pelo chão?
Suas medidas desenfreadas
Levaram mais de um coração.


E o criador, olhando o desenlace
De uma triste ideia antes nascitura
Que como um feto impaciente, nasce
Inconsolável, chora por sua criatura


Que trágico fim ocorreu naquele lugar
O sangue de inocentes derramado ficou
E o dia antes comum, mas que agora jamais poderá se apagar
Em um dia cinzento de abril se transformou.

Bela.



6 comentários:

Jasanf disse...

Não tenho palavras para expressar minha indignação e repúdio.

Carla Fernanda disse...

Amiga linda sua poesia de uma cena tão horrível. O amor pode transformar até mesmo tragédias em poesia.
Lindo!
Bem- vinda!
Carla

Vozes de Minha Alma disse...

E eu deixo aqui meu pesar pelas vidas que foram tiradas covardemente.
Valeu Bela, teu poema e teu coração
são generosos e acredito que esse é um momento para as autoridades refletirem, porque temo que isso possa deflagrar outros crimes dessa natureza.
Bjs.

Van disse...

Diante de tamanha dor, me calo

Seu poema está belíssimo

Boa semana, Bela

Johnny Madrid aka Tim E. disse...

Beautiful words and poignant too since something similar has happened in The Netherlands also. You have a way with words. Thank you for giving some of those words to me.

Samuel disse...

Perfect post!
Belo
sensível

Seguindo a partir de agora!

Depois apareça lá no Sempre!

Beijos

Samuca