inconsistência leve

quarta-feira, 23 de março de 2011

Homenagem


Eis que hoje mais uma alma se liberta
Dessa prisão incerta que é a realidade humana.
Eis que hoje mais um destino se cumpre
E mais um ser se desnuda
De toda a vã futilidade mundana.

Vejo-te como uma boa alma
Que, recém-chegada ao céus,
Deixa-te preencher pela divina calma
E sem precisar de máscaras ou véus
Deixa-te ver como realmente és.

Vejo-te como um espírito alerta
A todo o som e a toda mudança
Que finalmente encontrou a paz.
E com um suspiro de quem se compraz
Livre te sentes de toda a dor encoberta.

Sente, paradoxalmente, mais vida
Mesmo depois de encontrar a morte
Pois agora eis que vês tua nova sorte
E, com um sorriso de passageira melancolia,
Vira a página de uma existência sofrida.

E junto aos anjos cantando
Plena te sentes como nunca antes havia
Pois, agora, todo o sofrer, todo o pranto
E todo o possível desencanto
Trasformou-se em resplandecente alegria.

Para D.

Bela

2 comentários:

Van disse...

Que lindo!

Maravilhosa forma de ver um perda, transforma-la no ganho resplandecente e eterno

Mil beijos

ah! é bom quendo escrevemos um poema e alguém entende o que quisemos dizer em cada linha dele, vc fez isto

Camila Senna disse...

Menina, você escreve com a alma, isso é bom demais!
Seu blog foi um achado para mim... Com poucos seguidores, mais rico em palavras e beleza interior.

Desejo-te luz.
Shalom.
Camila Senna.